“Cabra marcado para morrer”, de Eduardo Coutinho (1985) no Cineclube Latino-Americano este sábado, 10 de agosto, às 17h

O Cineclube Latino-Americano convida o público para a exibição de Cabra marcado para morrer (Eduardo Coutinho, 1985) neste sábado, 10 de agosto, às 17h. O Cineclube Latino-Americano está no Pavilhão da Criatividade Darcy Ribeiro, no Memorial da América Latina (Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 664, Metrô Barra Funda – São Paulo).

O filme de Coutinho é parte do ciclo mensal Fundadores do Novo Cinema Latino-Americano – parte II, com produções que tematizam o período de acirramento da repressão das ditaduras militares contra a esquerda de vários países latino-americanos. Já se realizou a projeção de Machuca (Andrés Wood, 2004) e, nos próximos sábados, serão exibidos La noche de los lápices (Héctor Olivera, 1986 – sessão de 17/08), Rojo amanecer (Jorge Fons, 1986 – sessão de 24/08) e Estado de sítio (Costa-Gavras, 1972 – sessão de 31/08).

Todas as exibições são seguidas de debate e a taxa de manutenção é de R$ 5,00.

Para saber mais sobre a programação do Cineclube Latino-Americano, ou como se associar, visitem a fanpage do Facebook ou entrem em contato pelo e-mail cineclubelatinoamericano@googlegroups.com.

Cabra marcado para morrer (Eduardo Coutinho, 1985)

cabra-marcado-para-morrer

Sinopse: Narrativa semidocumental sobre a vida de João Pedro Teixeira, líder camponês da Paraíba assassinado em 1962. Em razão do golpe militar de 1964, as filmagens realizadas pelo CPC da UNE foram interrompidas. O engenho da Galileia foi cercado por forças policiais. Parte da equipe dirigida por Coutinho foi presa sob alegação de “comunismo”; o restante se dispersou. O trabalho foi retomado 17 anos depois com a coleta de depoimentos dos camponeses que trabalharam nas primeiras filmagens e, também, da viúva de João Pedro, Elisabeth Teixeira, quem vivia na clandestinidade, separada dos filhos, desde 1964. Com o filme, busca-se reconstruir a história de João Pedro, de seus familiares e das Ligas Camponesas de Galileia e de Sapé.

Existe uma variedade enorme de abordagens e pesquisas sobre a obra de Coutinho e, especialmente, sobre o filme de 1985. Entretanto, a maioria desse material encontra-se em formato impresso. Neste link, é possível acessar o texto A historicidade de Cabra marcado para morrer (1964-1984, Eduardo Coutinho), de Alcides Freire Ramos, publicado na revista Nuevo mundo, mundos nuevos (número 06, 2006).

Esperamos a todos para a projeção e bate-papo!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s